jump to navigation

Entrevista – Warly Bentes Jr. 30, 04, 2010

Posted by Lau Franco in Entrevista.
trackback

Olá queridos leitores!

Neste mês, a menina que vos fala entrevistou o Diretor de Criação da VT4, o jornalista e publicitário Warly Bentes Jr., que estava nos EUA durante a entrevista, mas nos atendeu com carinho e contou um pouco do começo de sua carreira e  sobre o mercado local.

E, como quem acompanha nosso twitter @blogvaral já sabe, a próxima será com Zamir Mustafa, da Tape Publicidade, que foi escolhido pelo voto popular da nação publicitária twitteira do Amazonas. Siga @blogvaral e participe você também com dicas e sugestões: o blog é seu.

Então, leiam e comentem!

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

VARAL- Quando e como você iniciou a sua carreira? Conte sua trajetória até a criação da VT4.

Warly – Comecei cedo. Desde a 5a. série a primeira coisa de fazia era organizar um jornal mural ao lado da lousa da sala de aula. Ou seja, sempre soube o queria ser profissionalmente. Como sou de uma família muito católica me envolvi cedo também com os movimentos sociais da Igreja em Parintins onde moramos uma época. Lá organizei um jornal chamado “O Profeta”, que dava conta das ações da paróquia do Sagrado Coração de Jesus. No Colégio Nossa Senhora do Carmo, fui diretor do jornal “O Estudante”. De lá fui convidado pelo Bispo de Parintins, Dom João Risatti, para trabalhar na Rádio Alvorada, que é da Diocese. Lá fui um do locutores fundadores da Rádio Alvorada FM, onde tinha 5  programas. Ainda fazia reportagem para a Rádio Alvorada AM. Em 1988 passei no vestibular para jornalismo na Universidade Federal do Amazonas, onde me formei em 1995.  Ainda em 1988 comecei a trabalhar como repórter na TV Amazonas.  Em 1989 coloquei matérias em nível nacional na Rede Globo. Ainda em 1989 fui contratado pela Tv Acrítica onde fiquei até 1992. Lá chequei a chefe de jornalismo.  Em 1992 criamos a produtora “45 Graus Filme”, com mais 3 colegas de profissão.  Essa experiência não deu certo por que não tínhamos capital. Em 1993 criamos a “VTQuatro”, agora com o incentivo e o capital do meu pai, Warly Bentes Pontes. A empresa hoje tem mais de 60 colaboradores, 17 anos de atuação no mercado da Região Norte e clientescomo a Petrobrás, a cosntrutora Gafisa e o Governo do Amazonas.

VARAL – Qual a metodologia de trabalho da VT4?

Warly – Metodologias existem várias. Como atuamos de forma verticalizada na área de comunicação para cada área temos um forma de condução. Na produção por exemplo é a agilidade. Se você, como cliente entrar com um pedido de produção de um VT simples, em 24 horas ele estará produzido e pronto para ir ao ar. VTs de varejo, com  pré-produção, recebemos a lista de ofertas às 9hrs da manhã e o mesmo será entregue até as 15 horas do mesmo dia nas emissoras. Em 2007 iniciamos uma nova gestão baseada em planejamento estratégico e profisisonalismo dos procedimentos internos, com visão, missão, lema (Podemos fazer mais do isso!) como preparação para atuarmos nos mercados nacional e internacional, o que começa a se consolidar este ano.

VARAL – Como você vê o mercado de publicidade digital hoje?

Warly – É o futuro. Não tenho nenhuma dúvida de que o uso de instrumentos como a internet serão cada vez mais  decisivos na conquista de consumidores. No Brasil os passos estão mais lentos. Mas nos EUA, 40% das vendas das grandes lojas de varejo já são oriundas da internet (ai colocadas todas as formas de acesso a ela, como celulares, Tvs, terminais de lojas, bancos etc). Um ponto positivo para a publicidade é não confirmação de uma previsão do mercado publicitário internacional de que teríamos dificuldade em acessar o consumidor diretamente por causa da  interatividade gerada pela era digital. Exemplo: através da interatividade gerada pela TV Digital, o consumidor poderia gravar a novela das 8 sem os intervalos comerciais, para assistir no horário que mais lhe convier. Essa é uma opção. No entanto, nem nos EUA, a interatividade está sendo usada desta forma. Portanto, o mercado publicitário  apresenta-se como o grande parceiro de todas estas inovações tecnológicas. E vem ai a TV em 3D, que você vai assistir em casa sem a necessidade de usar óculos.

VARAL – O blog é acessado por estudantes de publicidade em geral. Quais as referências você indica para quem gostaria seguir a área de criação?

Warky – Por que a área de criação??? A Publicidade não tem só isso. Temos outras áreas bem interessantes como mídia, planejamento, adiministração… Aliás temos muita carência de administradores na área publicitária. Mas como  preferência posso dizer que toda e qualquer leitura é uma condição básica. Quem lê muito sabe escrever. E saber escrever, saber “ler” o mundo, as pessoas,os comportamentos é básico para qualquer criador publicitário. Existem escolas de criação: a americana, a inglesa, a braisleira, que é muito respeitada… Estamos sempre buscando um  diferencial, evoluindo… Nossa área é apaixonante por causa disso: é dinâmica. Por isso estar acima de tudo “antenado”é primordial para ser um publicitário criativo.
VARAL – Nosso mercado tem um característica imediatista, por resultados em investimentos publicitários. Até que ponto essa característica influi na criatividade?

Warly – Desculpe, não é o nosso mercado. É o Mundo que exige respostas imediatas. Vivemos com intensidade cada vez maior a “Aldeia Global”, prevista por MacLuhan. Estamos conectados pela internet, satélites, cabos de fibra ótica, rádio, com o mundo todo com um atraso (delay) de meros 3 segundos. O empresário que quiser sobreviver tem que levar isso em conta. E a Agência de Publicidade tem que estar preparada para atender a essa demanda. Acabou-se o tempo do Um dia pro Brieffing, 20 dias para a criação, 5 dias para aprovar, mais 5 para possíveis correções. Criamos campanhas inteiras em 48 horas ou estamos fora do mercado. Isso compromete a criação???? Diria que sim, mas bem menos do que o limite de verba do cliente. Infelizmente muitos ainda vêem a publicidade como custo e não como  investimento. O que produz publicidade ruim é baixo orçamento, é a prostituição do mercado, com um monte de  portinhas fazendo tudo por preço de banana e sem nenhum compromisso com a ética, com a legislação (somos regido por leis federais como a de direitos autoriais) e como o futuro da atividade.

Anúncios

Comentários»

1. Daniel Magalhães - 3, 05, 2010

Muito boa a matéria, apesar de alguns erros de digitação.

@daniel_magal

2. Ciléia - 5, 05, 2010

Uma aula! Muito legal!

3. dida - 27, 08, 2010

parabens ao entrevistado!! fantastica historia de vida, vitoria merecida.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s