jump to navigation

As flores do mal 29, 03, 2010

Posted by Lau Franco in Entrevista.
trackback

Numa entrevista para o blog Papo de Homem, o ilustrador André Dahmer, criador das tirinhas Emir Saad e Malvados (http://www.malvados.com.br), respondeu dessa maneira a seguinte pergunta:

Papo de Homem: Faça uma pergunta que gostaria muito que alguém que te perguntasse.
Dahmer: Desculpe o mau jeito, mas quanto menos coisas me perguntarem, melhor…

E foi assim, meio sem jeito, que consegui – depois de mais de um ano –  uma curta entrevista com Dahmer, uma pessoa cuja obra fala por si, dispensando a prolixidade de qualquer resposta. Confira.

E vida longa aos Malvados!

++++++++++++++++++++++++

VARAL-   O humor feito no Brasil geralmente nos ensina a rir dos outros e não de nós mesmos e, o tipo de humor crítico que você faz, usando temas políticos e da condição humana, geralmente é apreciado por poucos, o que faz seu estilo se aproximar de Los Tres Amigos. Você já tinha pensando que o estilo politicamente incorreto de seu trabalho faria sucesso quando nasceu a ideia de criar os Malvados?

AD- Não creio que meu trabalho encontre muitas referências em Los Tres Amigos. Tenho grande respeito pelo trabalho dos três autores, mas não acho que é o caso. Se há algum parâmetro, é com o trabalho solo de Laerte. Sobre sucesso, é um conceito elástico. A realização de um pode ser a ruína do outro.

VARAL- Lendo seu trabalho, dá pra imaginar que você é do tipo que possui uma vida quase ascética, que não deve ser muito consumista nem ter tara por carros importados (risos). Então… dá para viver decentemente como cartunista/ilustrador no Brasil? Ou são poucos os escolhidos?

AD -Talvez o problema não seja o quanto você ganha, mas o quanto você gasta.

VARAL -Sei que às vezes buscamos inspiração em tudo e você já deixou bem claro a inspiração na sua própria vida nas tirinhas e outras obras, como A cabeça é a Ilha( a relação meio conturbada com o sexo oposto, desilusões amorosas, alcoolismo, etc.). É bem visível que você coloca sua alma no trabalho. Como você lida com essa superexposição voluntária da sua vida?

Não sou as coisas que escrevo, mas é muito comum esse tipo de confusão. Meu trabalho busca referências no outro,mas o outro também é parecido com o que sou. Daí o motivo de tanto equívoco.

VARAL –  Qua is suas referências (música, quadrinhos, literatura, cinema)?

AD- Posso citar o cineasta Marcelo Masagão e o escritor Botika. No mais, não leio quadrinhos e não escuto muita música.


VARAL -Leio suas tiras e o seu trabalho, apesar de parecer exagerado, é extremamente sincero. O que você fala é visível “a olho nu” em nosso cotidiano,  basta olharmos os jornais ou sairmos na rua. Assim, gostaria de saber para onde você acha que o mundo caminha. Você tem uma resposta/receita “Dahmer” para encarar a vida?

AD- Não há receita, mas doçura e coragem podem ajudar.

Anúncios

Comentários»

1. Yusseff Abrahim - 29, 06, 2010

Muito Dahmer… sensacional!!!
O negócio é mesmo não pensar muito… as coisas estão na nossa cara e talvez, ao naturalizarmos, nem damos conta do quanto são absurdas. Aí olhamos para alguns traços e três quadrinhos sequenciais: pronto! Morremos de rir.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s