jump to navigation

Estendendo Referências 28, 02, 2010

Posted by varall in Sem categoria.
Tags:
add a comment

Muito bacana o trabalho do estúdio de design Serial Cut.

Confira mais aqui

O que você faria? 26, 02, 2010

Posted by varall in Varal de fora.
Tags:
add a comment

O que você faria com muitos torpedos?

A Vivo, em parceria com o Instituto Ipê, vai reflorestar im2 de mata nativa para cada resposta dada até o dia 10/03/2010.

Acesse aqui e participe

Boutique Guerrilla Agency 26, 02, 2010

Posted by varall in Guerrilha.
Tags: ,
add a comment

A agência de guerrilha Torke vai reajustar o seu posicionamento no sentido de deixar de ser uma agência start up para passar a assumir-se como uma aposta de comunicação integrada 360º dentro do segmento alternativo. A informação foi avançada ao M&P por André Rabanea, CEO da Torke, que adianta o novo conceito da agência: Boutique Guerrilla Agency. “Quando o projecto Torke arrancou há cinco anos, fomos pioneiros mas com o aparecimento de outras agências a fazer marketing de guerrilha precisávamos de fazer algo para não sermos apenas mais uma agência de guerrilha”, afirma, referindo que o novo conceito que está a ser preparado desde Novembro.

A designação de Boutique, com que André Rabanea espera “criar um novo segmento que ainda não existe em Portugal”, parte de uma analogia que os responsáveis da Torke fazem entre a publicidade e a hotelaria. Nesse sentido, enquanto agência start up a Torke era uma espécie de hostel enquanto as agências de publicidade multinacionais seriam hotéis de cinco estrelas. “Num hostel há um contacto mais próximo e ou se gosta ou não, é dirigido a um público específico que procura uma coisa alternativa, enquanto num hotel há mais conforto mas o tratamento é menos personalizado. A Torke quer deixar esse patamar de hostel, porque depois de cinco anos em actividade temos uma inteligência de mercado guerrilha que está um patamar acima desse nível mas não queremos ser um hotel de cinco estrelas. Queremos continuar a apostar na comunicação de guerrilha e alternativa mas de uma forma mais focada, daí o conceito Boutique Guerrilla Agency. Queremos juntar o melhor dos dois mundos e surgir com um novo posicionamento”, explica o responsável da Torke.

A agência, que o ano passado trabalhou cerca de 120 clientes, espera este ano trabalhar apenas 10 e ter um account para cada dois clientes em vez de um para cada 20 como acontecia até aqui. “Vamos continuar na guerrilha mas com uma componente criativa mais forte em que dedicamos mais tempo a cada cliente e lhe proporcionamos, dentro do segmento alternativo, um comunicação 360º com web 2.0 integrada”, adianta. “Será uma agência de guerrilha mas com um conceito mais gourmet.”

Via: Meios e Publicidade

Degusta-me – Avesso 26, 02, 2010

Posted by varall in Varal de fora.
Tags: ,
add a comment

Sempre estrelando com grandes atrizes, agora é a vez de Deborah Secco ser a estrela de Lux. Em um tom intimista,
ela confidencia com as mulheres dicas de sedução, utilizando os cinco sentidos. A inspiração dos 5 sentidos vem da
associação com o processo de degustação de um vinho, um dos ingredientes da fórmula do produto.

A campanha, criada pela New Content resultou em 3 filmes de um minuto, “Visão”, “Olfato e “Audição”.O Avesso
registrou o trabalho dos profissionais responsáveis pela filmagem em uma casa locada no Morumbi, São Paulo, onde
Lygia Barbosa com uma equipe de 70 pessoas, realizaram um trabalho cuidadoso de direção publicitária.

ENTREVISTA – IVOMARCOS VIEIRA 25, 02, 2010

Posted by Lau Franco in Entrevista.
11 comments

Olá leitor!

A entrevista deste mês é o com o planner da agência Prócion, Ivomarcos Vieira. Publicitário por formação, Ivo é pós-graduado em Marketing, atua na  área de Planejamento de Marketing e Publicidade e tem experiência em Marketing Governamental e Eleitoral.

Comentários são sempre bem-vindos! Boa leitura e não se esqueça de seguir o Varal no twitter @blogvaral!

+++++++————-+++++++

ENTREVISTA COM IVOMARCOS VIEIRA

VARAL -Como você foi parar no planejamento?

IV- Antes de tudo devo dizer que eu nunca tive a perspectiva de trabalhar em agência de publicidade. Devido a esta premissa sempre me voltei para o marketing e o estudo dos processos comportamentais e culturais. Eu queria mesmo era ser um diretor de marketing ou de produto. Cheguei a estagiar em agências, produzir e escrever spots para rádio, marketing eleitoral e gerenciar comunicação de algumas empresas. Sempre com o foco de ser responsável pelo marketing.  Só que como disse o cara do Josef Climber, “a vida é uma caixinha de surpresas”. Em uma dessas andanças da vida encontrei dois amigos da época da faculdade (Matson Kelly e Miguel Ale). Estavam procurando mais um maluco para montar uma agência em Manaus. O fato é que eu tinha acabado de me comprometer em fazer um trabalho de 03 meses e não tinha possibilidade de assumir mais um compromisso. O destino é engraçado. Logo em seguida a pessoa que me contratou pediu para eu arrumar mais dois criativos para iniciar o processo, daí advinha só, chamei o Matson e o Miguel. E não é que deu certo! Depois que terminamos esse trabalho vi que esse negócio poderia dar “samba” (o primeiro nome da agência, depois vimos que já existia!) e criamos a Raça. Uma proposta revolucionária e guerrilheira. Mas o que eu iria fazer em uma agência com um ótimo redator e um ótimo dir. de arte? Virar o chato do administrativo, nem pensar! Foi quando começamos a desenvolver o nosso modelo de trabalho e vimos essa figura (até então nebulosa) do planejador e foi assim que eu, um cara de marketing e fascinado por entender de pessoas comecei na publicidade.


VARAL- Como evitar a mesmice no planejamento de campanhas?

IV – Vou responder com a mesmice! Na realidade a mesmice é linha de produção. O cara tem o molde e faz tudo igualzinho só mudando a cor. O planejador tem que entender que não existe um modelo ou uma receita. Existe muito trabalho, informação e o mais importante de tudo: inspirar a galera da criação. Se a criação não comprar e confiar no seu planejamento, esqueça. Tem que ver o que as pessoas vêem, de maneira diferente.


VARAL – Quais são as ferramentas de trabalho de um bom planejador?

IV- Bem, eu poderia vomitar um monte de conceitos e coisas que outros estudiosos já disseram, mas isso seria muita cara de pau. O planejador é acima de tudo o guardião da marca do cliente e um contador de histórias. Em minha opinião, a principal ferramenta do planejador é entender de gente. Das pessoas sabe, pois é pra elas que trabalhamos nos fins de semana, madrugadas e feriados. O nosso papel nada mais é do que fazer o link do cliente com o consumidor. Construir um relacionamento dual onde o princípio seja um diálogo e não um monólogo da marca com o consumidor. Os princípios de um bom planejador são a simplicidade, o bom senso e a criatividade.

VARAL- Você falou em ser guardião da marca do cliente e contador de histórias, o que isso quer dizer?

IV- O atendimento briga pelos gostos do cliente e faz isso muito bem, tanto que o pessoal da criação vive brigando com eles. O planejamento tem que ser a figura que se preocupa com a marca e não com a pessoa, assim como a criação pode não concordar com o que o cliente quer, o planejamento tem que decidir o que é saudável para a marca. Às vezes o cliente precisa escutar um “não”, mas com conteúdo. As marcas ficam, as pessoas passam. Esse cuidado, seja com cliente ou equipe da agência, nos torna os guardiões da marca do cliente. E contar histórias é a capacidade de mostrar caminhos e direcionamentos para todos. Vários caminhos levam ao mesmo lugar, mas todos precisam escolher juntos qual seguir.

VARAL – Qual a diferença que você vê entre um briefing da criação e um de planejamento?

IV –Eu vejo basicamente dois:  a equipe e a cultura da empresa. Vamos começar pela cultura da empresa: se você trabalha numa empresa onde o diretor de criação vive dentro da caixa ou se escuta com muita freqüência o famoso jargão do “se pagar bem, que mal tem”, corra planejador! O seu trabalho nunca será relevante. Planejamento é vanguarda, resultado e comprometimento. ATL e BTL são obrigatórios para ter sucesso com o consumidor. No caso da equipe é complicado, principalmente se você for novato. Pois muitos dos nossos atendimentos (e não é culpa deles e sim do mercado) são oriundos de veículos, acostumados a faturar mídia e não investigar realmente o problema do cliente. Mas como sou um cara voltado para pessoas, vamos somar e não dividir. O bom mesmo é o planejador acompanhar o atendimento e conversar muito com ele, pois é o atendimento que sabe o dia que o cliente leva o cachorrinho para tosa. Com isso, o planejador escuta o atendimento sobre o perfil do cliente e depois vai até a empresa perceber os problemas que ele precisa sanar. Isso gera o discernimento entre o real e o imaginativo. Depois o atendimento gera um briefing que é repassado ao planejamento, que por sua vez elabora um briefing criativo que será discutido e repassado para a criação. Assim todos participam do processo. A criação recebe um material enriquecido e inspirador para trabalhar e o cliente sai ganhando com um material de qualidade e com foco no resultado.

VARAL- Quais os planners/agências brasileiros que vc considera os mais geniais do momento?

IV- Hum… Sinuca hein (risos) !!! Olha dos que pude acompanhar, eu tenho gostado muito dos trabalhos da JWT. Acredito que hoje seja a agência com mais punch de planejamento com o Ken Fujioka como o Head Planning de lá. Mas tem gente boa vindo aí como o pessoal da Africa, Lew Lara, Lowe… e por aí vai. Vale lembrar que já existem agências de planejamento como a LimoInc e tem como clientes agências de publicidade, veículos e gerenciamento de comunicação dos clientes das agências.


VARAL- O que vc pode nos falar sobre o planejamento em Manaus?

IV – Em Manaus, se você não  é de criação ninguém sabe o que você faz. Isso me lembra a minha mãe que olha pra mim e diz, olha filho o comercial que você  fez ! Por mais que explique que eu não fiz o roteiro e nem a produção, ela não entende o que eu realmente faço. Profissionalmente que eu vejo em Manaus é planejamento sendo confundido com plano de mídia e gerência de atendimento (account planning). E isso até em agências de grande porte. Eu acredito que tem umas pessoas novas vindo com muita vontade de crescer e mostrar resultados. Mas ainda estamos engatinhando por aqui.


VARAL – Qual a relação entre planejamento e atendimento?

IV- Precisam ser irmãos siameses. O planejamento surgiu da necessidade de cuidar mais das contas dos clientes. Antes feito por pessoas de pesquisa, o planejamento sempre esteve ligado ao atendimento só que cada um com seu pensamento. Enquanto o atendimento briga pelos desejos do cliente, o planejamento luta pela marca. Disso saiu um profissional que entendia as necessidades das empresas dos clientes, traduzia a pesquisa para a linguagem dos publicitários e inspirava a criação.

VARAL -Em um mercado, onde existem poucos dados mensuráveis no que se diz respeito a retorno de mídia, qual é o método utilizado para chegar a tais informações?

IV – Sinceramente, os dados, pesquisas, consumo de mídia e outros indicadores são importantes. Mas o planejador precisa ver o que a pesquisa não vê. Recomendo muito o livro do Jon Steel, a Arte do Planejamento. Pois só assim vocês podem entender o que eu quero dizer, antes que o grupamento de linchamento chegue.  O planejador precisa entender de pessoas. Estar antenado com o que acontece no mundo e com as tribos. O famoso feeling é na maioria das vezes a nossa maior arma. Ainda mais em um mercado onde tudo é para ontem.

VARAL -Como se Planeja em um mercado imediatista como o da publicidade?

IV – É muito complicado. O nosso mercado ainda vive o momento do preço e parcelamento. O que o nosso empresário precisa saber é que os clientes estão evoluindo, se informando e como consequência ficando mais exigentes. Os consumidores não querem mais acreditar nos jargões “barato”, “preços incríveis” e “menor preço”. Se você chegar a um cliente e começar a falar que quer trabalhar branding, CRM, geração de valor, desenvolvimento de buzz marketing, alistamento ou outra atividade além do varejo, vai perder a conta! Devido à cultura do nosso empresariado eles apenas se preocupam em vender mais e mais, não observam que precisarão vender amanhã, não observam que precisam se tornar parceiros dos seus clientes. O fato mesmo é você conseguir a confiança do seu cliente e ser honesto com ele sobre os resultados que você pode gerar e buscar a diferenciação. Meu conselho é que quando a coisa ficar feia e os prazos estiverem se esgotando seja humilde, faça um co-planning, chame o pessoal da criação e atendimento e peça a ajuda deles.

VARAL -Na sua agência, a criação trabalha diretamente com o Planejamento? Como isso funciona?

IV – Com as pessoas que trabalho, isso funciona muito bem. Desde quando começamos com a Raça estabelecemos a nossa estrutura como uma célula de criação onde todos participam e opinam igualitariamente. Temos um principio de que as idéias podem vir de todos os lugares. Quando a criação, o atendimento e a mídia somam e acreditam no planejamento, os resultados aparecem e o cliente fica feliz. Criamos campanhas com resultados avassaladores, ganhamos contas apresentando o planejamento que foi feito para eles e matemos uma linha de comunicação mais racional.

VARAL – Você tem algum case ou exemplo onde o planejamento ajudou nos resultados?

IV – Tenho vários cases interessantes. Mas gostaria de falar sobre um que tive a oportunidade de participar localmente. A  JWT criou para a Coca Cola a promoção “Quem foi melhor: Biro-biro ou Maradona?”  para a marca se tomar o assunto das discussões de boteco, inspirada na intensa rixa com os argentinos. Só que foi tão bem elaborada e executada a promoção que o engajamento gerado deixou nas pessoas um gosto de quero mais. Daí foi criada a promoção “Deu a louca no Biro-biro” para que além de dar continuidade, a marca tivesse maior penetração nos bares e botecos antes dominados apenas pelas bebidas alcoólicas. Em Manaus, criamos a ação de trade para envolver as pessoas no objetivo da campanha. Visitamos mais de 48 bares, 02 eventos e localidades em 05 dias. O nosso resultado foi o aumento de consumo nos pontos e um PR Stunt gigantesco para a marca, que incluía capa de jornal, bloco em programa esportivo e várias entrevistas. Além do engajamento do público nas atividades da ação. Nacionalmente a marca obteve crescimento expressivo de vendas nos canais, aumento da associação da marca com o tema futebol, participação e o importante impacto na percepção do consumidor nos atributos emocionais da marca. Vale lembrar que essa campanha levou ouro no Effie Awards, um prêmio sério que julga resultado e não campanhas fofinhas ou fantasmas. A primeira fase foi finalista no Jay Chiat, que talvez seja o Cannes do planejamento.

VARAL – O  consumidor brasileiro passa cada vez mais tempo conectado. Como criar um planejamento em um mercado onde a internet ainda é  bem abaixo do esperado?

IV- Eu não concordo que esse mercado esteja abaixo do esperado. O cliente é quem não acredita nessa ferramenta. Tudo depende do que você quer fazer na rede. Vejamos, hoje temos na nossa cidade várias lojas voltadas para a maior fatia de consumo do Brasil que é a Classe C. Pergunto: quantas delas fazem ações on line? Sabendo que 42% das compras on line são feitas exclusivamente pela classe C, com ticket médio de R$ 289,00. As oportunidades estão para todos, o que tem que existir é a confiança do cliente em desenvolver essa estratégia e a postura da agência em ir além de um site com e-commerce.

Manaus Game Festival 25, 02, 2010

Posted by varall in Varal de Manaus.
add a comment

A Tyon Consultoria está organizando um evento que promete se tornar referência na cidade.

O Manaus Game Festival oferecerá aos visitantes uma programação especial durante todo o dia.
Um dos principais destaques é a exposição “A História dos Videogames” além de stands de Desenvolvedores de Jogos de Manaus.

LOCAL:
Studio 5 Centro de Convenções
Avenida Rodrigo Otávio, 3555
Distrito Industrial
Manaus – Amazonas

DATA E HORÁRIO:
Domingo, 30 de Agosto de 2009
De 09h00 ás 22h00

INGRESSOS:
Os ingressos terão o preço de apenas R$10,00 se comprados de forma antecipada e R$15,00 no dia do evento.

CONTATOS:
Tyon Consultoria
Rua das Safiras, 13 – Sala 8
Conjunto Manaunse,
Quadra N Nossa Senhora das Graças
Fone: (92) 3307-9200
Fax: (92) 3307-9700
Email: tyonconsultoria@gmail.com

via:Zona Negativa

Devassa 24, 02, 2010

Posted by varall in Varal de fora.
add a comment

Society for News Design 24, 02, 2010

Posted by varall in Estendendo informaçao.
add a comment

Raphael Alves, membro pioneiro do AEL, ganhou o troféu de excelência na 31ª edição do “Melhor dos Jornais”, competição mundial promovida pela Society for News Design. Raphael venceu com a foto de capa publicada na edição de 10/09/2009 do jornal A Crítica, de onde é funcionário.

Jet Blue abre concorrência pelo Twitter 24, 02, 2010

Posted by varall in Estendendo informaçao.
add a comment

A JetBlue, abriu concorrência nos E.U.A para encontrar a agência fullservice e verificar se os candidatos estão a altura para atende-los no meio digitais. Para isso, usou nada mais, nada menos que o Twitter.

Seu Vice Presidente de Marketing, Martin St. George resolveu abrir a concorrência através de um post em seu Twitter . O primeiro teste para provar que a agência está apta a atender a conta, seria encontrar esse tweet e entrar em contato com ele.(@ martysg)

Estratégia da JetBlue tem incidido sobre a Internet e as redes sociais nos últimos anos. Por exemplo no Twitter, ela tem 1,6 milhões de seguidores

Via Marconi 22, 02, 2010

Posted by varall in Varal de Manaus.
Tags: ,
add a comment

Com o tema evolução, a Oana Publicidade criou uma campanha para lançar a nova marca da Via Marconi.

Ficha Técnica

Redator: Wilson Rocha
Diretor de Arte: Salomão Leite
Execução: Alexandro Castro

Pura mandinga 22, 02, 2010

Posted by varall in Varal de fora.
Tags:
add a comment

Pai de Santo, trevo de quatro folhas e outras coisinhas mais… Toda supertição envolvida na história da seleção brasileira…O vídeo produzido pela nike ficou muito doido, ao contrário da nova camisa….

Pra quem ainda não viu… 22, 02, 2010

Posted by varall in Varal de fora.
Tags:
add a comment

Contribuição: Igor Cardozo